Fale Conosco

13 de setembro de 2012

CPMI da Violência contra Mulher elogia ação do Governo no caso de Queimadas



Integrantes da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Violência contra a Mulher elogiaram, nesta quinta-feira (13), a atuação do Governo do Estado, por meio das Polícias Militar e Civil e demais órgãos, no caso do estupro coletivo ocorrido em fevereiro deste ano, vitimando cinco mulheres e resultando na morte de duas delas, no município de Queimadas. Nesta sexta-feira (14), a comissão participa de audiência com o governador Ricardo Coutinho, em João Pessoa.

“É digno de registro o trabalho das Polícias Militar e Civil da Paraíba em prender e indiciar os acusados de praticar a barbárie contra as mulheres aqui em Queimadas”, ressaltou a senadora Ana Rita (PT-ES), relatora da CPMI, durante audiência à tarde, no auditório do Tribunal do Júri, no Fórum de Queimadas. Ela também destacou o trabalho do Ministério Público e do Poder Judiciário.

Por sua vez, o deputado federal Florisvaldo Fier (PT-PR), mais conhecido por Dr. Rosinha, afirmou que a prisão e condenação dos acusados vão servir de exemplo para o todo o país. A deputada federal Nilda Gondim (PMDB-PB) também participou da reunião.

No período da tarde, foram ouvidos os representantes do Poder Judiciário, Ministério Público e Delegacia da Mulher. Pela manhã, foram ouvidos familiares das vítimas, dentre eles Isânia Monteiro, a irmã da professora Isabela Pajuçara Monteiro. Ela lembrou ressaltou a presença da CMPI em Queimadas e agradeceu à assistência e o apoio do Governo do Estado às famílias das vítimas.

A gerente operacional de Enfrentamento a Violência contra a Mulher da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana (Semdh), Cândida Moreira, também acompanhou os trabalhos da CPMI em Queimadas, e lembrou que o Governo do Estado vem dando o apoio às famílias com psicólogos, assistentes sociais e advogados desde fevereiro.

O caso – No dia 12 de fevereiro, a professora Isabela Pajuçara Monteiro, 28 anos, e a secretária Michelle Domingos, 29, foram assassinadas a tiros depois de estupradas. Participaram das prisões policiais do Bope, do 2º e 10º Batalhões de Polícia Militar e da Polícia Civil. Sete acusados estão presos aguardando decisão judicial e três adolescentes já foram sentenciados com três anos de internação. O caso ganhou repercussão internacional.